L'amour de Pape Francis

Um homem que está lá para abrir muitos “segredos ” antigos na Igreja Católica é o Papa Francisco. Algumas das crenças que são realizadas na igreja, mas que são contra a natureza amorosa de deus, estão sendo revistas pelo papa, que foi recentemente nomeado o "homem do ano ‘ pela revista TIME.

 

 

 Em suas últimas revelações, o Papa Francisco disse:

 

”Por meio da humildade , da introspecção e contemplação orante ganharam uma nova compreensão de certos dogmas. A igreja já não acredita em um inferno literal, onde as pessoas sofrem. Esta doutrina é incompatível com o amor infinito de deus. Deus não é um juiz, mas um amigo e um amante da humanidade. Deus nos procura não para condenar, mas para abraçar. Como a história de Adão e Eva, nós vemos o inferno como um artifício literário. O inferno é só uma metáfora da alma exilada (ou isolada), que, como todas as almas em última análise, estão unidos no amor com DEUS.“

Em um discurso poderoso que está repercutindo em todo o mundo , o Papa Francisco declarou:

”Todas as religiões são verdadeiras, porque elas são verdadeiras nos corações de todos aqueles que acreditam neles. Que outro tipo existe realmente? No passado, A igreja considerava muitas coisas como pecado que hoje já não são julgadas dessa maneira. Como um pai amoroso, nunca condena seus filhos. Nossa igreja é grande o suficiente para heterossexuais e homossexuais, por pró-vida e pró-escolha! Para os conservadores e liberais, até mesmo os comunistas são bem-vindos e se juntaram a nós. Todos nós amando e adorando o mesmo deus. Nos últimos seis meses , os cardeais, bispos e teólogos católicos têm debatido na Cidade do Vaticano sobre o futuro da Igreja e da redefinição das doutrinas católicas e seus dogmas.”

O catolicismo é uma religião agora “moderno e razoável, que passou por mudanças evolutivas. Hora de deixar toda intolerância. Devemos reconhecer que a verdade religiosa evolui e muda. A verdade não é absoluta ou imutável. Mesmo ateus reconhecem o divino. Através de atos de amor e caridade ateu reconhece deus, bem como, redime a sua alma, tornando-se um participante ativo na redenção da humanidade. “

”DEUS está mudando e evoluindo como nós somos, porque deus habita em nós e em nossos corações. Quando espalhar o amor e bondade no mundo, nós reconheceremos nossa divindade. A bíblia é um livro sagrado bonito, mas como todas as grandes obras antigas, algumas passagens estão desatualizadas. Algumas passagens chamam mesmo para intolerância ou julgamento. É o tempo de ver estes versos como interpolações posteriores, contra a mensagem do amor e da verdade, caso contrário, irradiando através da escritura chegou. Com base em nossa nova compreensão, vamos começar a ordenar mulheres como cardeais, bispos e sacerdotes. No futuro, é minha esperança de que, um dia, um papa feminino não permita que qualquer porta que está aberta para um homem seja fechada para uma mulher."

 Alguns cardeais da Igreja Católica são contra as recentes declarações do Papa Francisco.

Ao ler essas declarações, eu concluo que o Papa está apaixonado. Love is in the air. Não vou discutir a sexualidade do papa porque isso envolveria o por quem, mas sem deixar de fora a questão que envolve o prazer. E sem me deter ao sentimento ao qual se relaciona os dizeres do papa, porque no fundo isso não se refere única ou exclusivamente ou separadamente aos seus sentimentos pessoais, mas a um desejo de como Cristo deveria ser entendido. Exilar algo é isolá-lo, é separá-lo: E se exilado, no entendimento do coração humano, onde estaria o inimigo durante este exílio?  Ele é a explicação do porquê da existência de um propósito. No fundo, a mensagem do Papa trata-se de uma redefinição e reestruturação da família, que é, em termos bíblicos, homem, mulher, e sexo, e isso também envolve o homossexualismo, os quais, de acordo com ele, não estão devidamente bem contextualizados: mas não confunda isso com ‘eles não foram bem contextualizados’: pois que eles foram extremamente contextualizados, suas personalidades descritas e narradas como resultados práticos do saber, as historinhas bem conhecidas bíblicas, temos um estereótipo da mulher judia, da mãe judia, do filho judeu, do pai judeu ... A questão, e que talvez não agrade é como eles foram contextualizados e sobre que tipo de sentimentos, que tipos de qualidades sentimentais, aquele mecanismo visa reger: a família.

Comandos positivos e comandos negativos por trás de todo aquele fatalismo, resultados não alcançados, a teimosia com Deus, a vitória e o fracasso estão sempre às voltas com o inimigo, mas um inimigo sutil, onde você é levado a acreditar que, se não for assim, ou, se insistir naquele caminho, vai falhar. E quase que imediatamente, a explicação vai pro 3.15. Eu sei,... ‘o Diabo foi lá e estragou a criação de Deus...’ : Não. Não dá pra levar a sério e ficar insistindo com essa argumentação, porque existia algo escondido muito mais amplo, que é o tópico de minha argumentação, algo que vai além da Educação. A questão é basicamente essa: Esse resultado, que é conseguido a preço de ouro, vai além dos dentes e do pescoço, que alinha a coluna e mantém os calcanhares do homem fixos no chão, não são de fato um retrato do coração, o entendimento das relações entre pessoas que se amam: aquilo tudo é amor? Não.

Mas como pensar em família quando se tem um arsenal de palavras com conteúdo direcionado a reduzir a mulher.

Do mesmo modo, nada é mais importante em termos Bíblicos do que Adão e Eva: a história, que é considerada uma fábula, é, pra todos os sentidos, o espírito daquele livro: e muito se fez pra que o 3:15 fosse esquecido ou modificado, mas ele é a base do Cristianismo, e é a espinha dorsal do pensamento de Cristo.

Não. Ressarço esse pensamento porque o amor de Deus não chega a tanto, seria o mesmo que admiti-lo entre todas as nossas relações intersexuais, digo, não só as físicas, mas as mentais, os desejos obscuros. E isso seria o mesmo que admitir que Deus não é puro, mas um pecador.

O Deus do Velho Testamento nunca foi um Pai, mas um Provedor, era como ele se referia: Um Senhor, e quando o homem se referia ao ele, dizia O Senhor me Comandou. Isso está presente em Abraão, Moisés, em todos e até em Adão e Eva, eles não eram seus filhos, mas criaturas. Não existia uma relação de amor no Judaísmo, mas uma relação de Justiça. Em David, essa relação muda pra Presença [panim], mas nunca assume verbalmente o contexto de Deus ser um Pai, Cristo foi o primeiro a se referir a Deus como seu pai e se tratar como filho pra no momento seguinte assumir a condição do Lado Direito e se tornar Pai e o novo juiz: ele irá julgar os vivos e os mortos.

Essas questões, igualmente relevantes, não serão tratadas aqui nesse tópico, fiz um tópico especial pra isso, porque isso explica o entendimento de família, Instituição e Estado, como essas coisas se interligam e transmutaram, mas que não perderam sua essencialidade, porque o recado foi dado. E o que eu noto e vejo e venho reclamando, assim, nos meus tópicos, inclusive a sensação que tive foi que o papa deve ter lido as minhas pesquisas porque ele parece ter lido as minhas postagens anteriores, admitindo em certa medida as falhas, tentando apagar um passado e reposicioná-los no presente como se aquilo nunca tivesse existido, ou como se aquilo não fosse a vontade de Deus. As pessoas evitam ou evitaram ao longo do tempo falar sobre o conteúdo, e a tentativa de esconde-los ou negá-los, como o Papa está fazendo agora, isso sim, foi algo que sempre existiu.

A espinha dorsal deste entendimento que se percebe é que aquilo foi escrito sob tempos difíceis e que estes tempos difíceis sempre vai existir na vida do ser, principalmente do homem, a espécie que o representa na terra. Por conta disso o conceito de humanidade se instaurou, um conceito de humanidade se instalou. E seguiu-se num entendimento básico, que a literatura em questão são bloqueios, proibições a etapas funcionais, ou disfuncionais, como a adolescência, a perda da inocência, a desobediência, o descontrole, a noção do perigo e da existência do inimigo.

O que eu percebi em minhas postagens é que as pessoas nunca leram essa passagem de fato. E a passagem é bem clara, e o que é pior, esse é o entendimento de Cristo também: um homem não pode amar uma mulher mais que a Deus ou mais que a Cristo. Do mesmo modo, um homem não pode amar outro homem mais que a Deus ou mais que a Cristo e que, nessas condições, um homem pode ter relações com outro homem, um amor platônico, como Pai e filho, a Bíblia não nega isso, nem o Torá, a questão é que no intercurso da Semente, ele pratique o tal o Exílio, ou a separação, leia-se: não entregue o seu coração, aquilo ali será apenas sexo vazio, porque o seu coração e todo seu amor só pode ser entregue a Cristo. E, nesse sentido, uma tentativa de tornar o sexo virtuoso, limitando o alcance do prazer e transportando o amor pra esfera da virtude, ao dizer que o amor de pai e filho é igual ao amor entre um homem e outro homem ou entre um homem e uma mulher. Deus é o amante do quê, exatamente?

Havia ali naquele momento quatro objetos: Deus, o Diabo, o Homem e a mulher. A mulher e o diabo estão no paralelismo de servo, enquanto Deus e o Homem no paralelismo de Senhores, aquelas relações não se deram sob o contexto de amor, mas de Racionalidade, existe uma geometria. É neste contexto que Céu e terra foram criados. O amor entre os homens se tornou um empecilho aos Deuses.

Como já falei, fiz um tópico onde vou falar sobre isso, uma forma diferente, mas narrativa, dando mais clareza pros sentimentos que estavam ocorrendo ali em cada frase, em cada passagem que estava sendo construída.

Para se ter uma idéia, pense o seguinte: Adão foi construído primeiro que a mulher. E, no entanto, não comeu do fruto proibido. E a frase ‘por ter escutado a mulher’, é porque a mulher estava em uma condição mais terrena, mais perto da serpente, por ser inferior ao homem. Ora, de modo que a mulher já tinha esse problema, se ela não tivesse aparecido, o homem ainda estaria no Paraíso. Este é o entendimento Judaico ensinado pra uma criança de 5 anos: cuidado com a mulher. E o entendimento disso é mais escabroso ainda: Deus teria criado dois homens, um virtuoso e o outro terreno. O virtuoso seria o homem que vai criar a semente, o pai de família, o senhor. O outro homem, o homem servo, aquele que se entrega aos prazeres, com o qual a mulher vai se relacionar, e se ela não ceder, não se submeter ao homem virtuoso, ela se tornará um inimigo. E o filho dessa relação será o inimigo também. E a explicação era que a relação terrena não amaria Deus e o amor ficaria entre eles, e que esse tipo de egoísmo seria desfavorável a semente. Não só porque o filho da relação virtuosa seria a semente de Deus, como o filho do prazer seria o a Semente da Serpente, como o Filho da Virtude e o Filho do Vício, o Filho do Céu e o Filho da Terra, Cain e Abel.

Não se trata de uma relação concebida no altar e a outra concebida na mesa de bar, não se trata do mesmo homem, existe uma mulher e homens diferentes, não se trata da mudança de um padrão mental ou estado emocional: existe de fato um ser espiritual, que possui a mulher fisicamente e sexualmente: a interpretação Rabínica é de que Eva foi contaminada pelo mal, por isso, todos os seus filhos descendem do mal: a mulher foi endereçada como concubina do Diabo, de outra forma, qual a explicação do termo a semente da mulher[?], se para o entendimento até o século XX a mulher não possuía semente, foi quando descobriu-se que a mulher possuía o óvulo. A explicação foi: a semente é de que quem a Fecundou, foi outro ser e não o homem, porque a mulher não tem semente, digo, não tinha, só agora que ela foi ter, ela evoluiu..[!]. Um  problema de qualidades: ela não é nem um bom servo, foi cotada por Deus não como esposa, mas como ajudante, entendida como sem participação direta na Criação, e isso é até mais grave do que a própria relação incestuosa com o mal. Não é colocada na condição de coitada e que nasceu desprovida de forças naturais, ou uma couraça divina de virtude que a protegesse de seus desejos terrenos e pecaminosos, mas ao contrário, como tendenciosa, sem maiores explicações dos defeitos de sua criação, simples composição de valores: o homem é mais virtuoso: por isso foi setado pra carregar a essencialidade de Deus. Não tem absolutamente nada a ver com a força nem com a inteligência, mas com a pureza, a semente de Deus foi dada ao homem, por isso, ela é pura. No entanto, esse argumento foi quebrado: a menos que Adão tenha sido feito através de clonagem, uma fecundação in vitro que excluísse geneticamente a participação da mulher, necessariamente, Adão teria que ter uma mãe: e herdou a genética, aquela que vai tá em seu Sêmen. Do mesmo modo, seria muito achar, esperar, que Abel não tinha os genes de Eva, assim como Cain. E isso reportaria a Deus, independente de Deus não ter família, digo, não tendo nem pai, nem mãe nem mulher, mas admite-se, pra interpretação da história, que Adão, assim como Deus, não teve precedentes. E não menos curioso que ambos são os pais da humanidade. O início de uma Semeadura, da qual o sêmen do homem nunca foi puro.

 

 E o mais incrível ainda é que tal entendimento foi buscado junto à natureza: na 'semente' do trigo. Eles entendiam grão como semente, leia-se: a bolsa da planta angiosperma, a qual é uma bolsa que contem dois órgãos sexuais distintos internamente, envoltos numa casca: a isso chamou-se de gérmenE isso era entendido como Semente. Ou seja: nenhuma árvore, nenhum ser da natureza,  carrega sua própria semente: possui uma genética Tronco, mas tal genética tronco já é descendente de uma relação também entre gêneros.

Charles Darwin morreu frustrado por não ter conseguido provar o contrário: que eram todas plantas machos que jogavam sua semente na terra. Posteriormente, acreditou-se que isso seria possível por se tratar de uma autofecundação. Mas hoje sabe-se que não existe autofecundação na natureza. Isso seria o gap pra solução de Deus e da dualidade: mas se tal fato não é natural, como explicar a naturalidade de Deus? O que ele criou não possui uma singularidade consigo mesmo?

De modo que, a semente do homem guardava a essencialidade de Deus e, nesse caso, a pureza: Era um materialismo o qual dava uma substancialidade ao entendimento do Torá.

 

A grosso modo é pitoresco e inócuo a mulher procurar uma igualdade, porque implicitamente ela validou sua inferioridade: como uma família vai nascer de um ser superior e de outro ser inferior? Um envolvido com Deus e o outro envolvido com o inimigo, e o produto dessa relação ser envolvido em uma luta eterna entre o bem e o mal. Ainda que se relacione toda essa confusão pela linha da consciência e de que isso tudo é apenas uma ilustração, que sequer se deva levar a sério, como argumenta o Papa Francisco, não é assim que a coisa foi entendida e é. E nesse sentido, a bíblia é uma confusão literária, algo para definitivamente não ser levado a sério, até porque, está contrária, de uma forma grotesca, à ciência e à própria natureza. Não existe autofecundação na natureza, independente de onde estejam ‘localizados’ ambos os sexos, são dois e bem definidos e distintos, ou seja: aquilo que eles tratam como semente, se trata de um grão com dois órgãos sexuais dentro em formaçãosequer existe uma fecundação, o inimigo aí no caso seria até uma mosca se essa pousasse sobre esse grão: Quem fecunda capim é inseto pequeno, ou a própria digestão de uma ave qualquer.

Eles não entendiam como isso funcionava, e plantavam uma coisa e nascia outra, pelo advento da própria natureza, a polinização. Era o que se acreditava, Egípcios, Gregos e, principalmente, os Judeus, porque se acreditava em muita coisa contrária à natureza, pelo seu próprio desentendimento, ao ponto da natureza de Deus estar contrária à da natureza.

Essa incompreensão foi arremessada em nossos ouvidos, nós que acreditamos nessa fábula mal contada e incompreendida e estruturalmente falsa, incompatível com o mundo natural, e que está fortemente narrada nos Evangelhos, foi a mesma compreensão de Cristo em Mateus 13. A ‘Colheita da Mente’, de Cristo, abusa em uma burrice estrutural natural. ‘Ora, Cristo tava falando outra coisa...!’: e estava mesmo, falava aos ouvidos dos homens, ao mesmo tempo que a natureza achava graça dele. E essa incompreensão nada mudou: mesmo se provando hoje que o entendimento de Cristo sobre a natureza estava errado, tudo aquilo foi validado, e a palavra semeada foi e é a verdade enxergada e carregada por todos os cristãos.

 

Por isso, imbecilmente, acreditou-se que a mulher, misteriosamente, não se sabe ao certo como, no mesmo exemplo de Maria e Deus, foi possuída pelo Inimigo. De modo que existe um segundo ser presente nessa relação: um ser que não foi explicado e está envolvido nesta relação familiar judaica e seu entendimento, do por quê que as coisas acontecem, por quê que um judeuzinho, nem mal teve a sua primeira ejaculação, já tá querendo se envolver com o inimigo: E o inimigo é a impureza: E a impureza é a natureza. Em toda a Bíblia e em todo o Torá não há uma explicação pra impureza, veja você. A constatação é que aquilo foi escrito com base em resultados, parte do que se observava e entendia da natureza e aquilo que se buscava para o homem a nível de valores e de moral e de virtudes: o homem natural deveria ser descartado, a família não sobreviveria, não existiria em termos naturais, por serem considerados selvagens.

 

Ora, foi o inimigo que contou a Adão que ele estava nú? Por que a surpresa de Deus? Foi a serpente que disse ‘–escuta, Adão, tu tem que andar vestido porque senão teu pai vai te bater, tu não é um animal, por isso tu tem que andar vestido igual o teu pai, tu já viu teu pai pelado? Não, ele não te desrespeita, por isso, não desrespeita ele também, essa aqui é a casa dele é não a tua, por isso, é melhor tu te vestir pra agradá-lo... . Quando tu eras pequeno, essas coisas eram toleradas, mas agora você é um adulto, um homem formado, é bom que tu te vistas, pra que tu não tenha um desvio de conduta’. [?].

Está escrito que Deus falou, “–Quem te contou que tu tava nu...!”: quê que é isso, uma brincadeira?! Não é uma perda de inocência, mas uma aversão ao natural. De fato, Deus sempre foi o Deus da Humanidade, não oDeus da natureza, nunca foi um amante do natural, mas um amante da virtude. Índios andam nus e nem por isso andam se pegando e se estuprando, isso fazia parte da natureza divina do povo que ele escolheu, os quais não respeitavam nem os animais, já que a virtude é o tema. Leis tiveram que ser feitas até pro gado, porque o intercurso sexual com animais sempre existiu, uma vocação divina, porque não é natural o estupro, isso é algo não existe na natureza, e relato de estupro é o que não falta na bíblia, bem como relações incestuosas, das quais, Deus não se importava. Um bom exemplo são as filhas de Lo>O Homossexualismo de Sócrates a Cristo, existe aí um problemaço, porque Paulo não pormenorizou, e, ao longo dos seus Evangelhos, particularizou coisas que aconteciam na Grécia naquele tempo, endereçou a todos: homem com homem e mulher com mulher. Não era a luxuria do ato em si, como se aqueles atos acontecessem sempre em orgias: E o termo homossexualismo, atende única e exclusivamente ao princípio de ser um ato sexual. Aquilo se chocava com o judaísmo, onde existe um platonismo entre pai e filho, como se os Gregos estivessem dizendo que os Judeus eram homossexuais, ou se tal coisa acontecesse ou existisse, não era natural.

Paulo estava dizendo explicitamente que um homem não pode amar outro homem sem sexo. E Cristo pensava assim desse jeito, também? Digo, é possível amar outro homem sem sexo? Sexo encerra o prazer? O prazer encerra o amor? Aqueles seres não amavam seus deuses também? A ponto de seus deuses estarem presentes com eles em todas as relações, não apenas aquelas consideradas válidas ou virtuosas? Do que Paulo estava reclamando exatamente? Paulo estava reclamando e se referindo a mesma coisa a qual se refere a história de Adão e Eva: o amor entre dois senhores. E o mistério é resolvido de uma maneira bem simples: é um problema pertinente à geometria da unidade: ela não passa, o amor entre homens só é permitido na nuvem, Em Cristo. Para os Gregos, Eros derramava o amor no homem e esse homem derramava em outro homem. Tal coisa não existe nem no Judaísmo nem no Cristianismo, por se tratar de fluxos de passagens: o amor não transita diretamente entre seres humanos, mas entre seres humanos e Deus, ou, Cristo, foi como Deus ficou entendido. Simplesmente, aquelas pessoas amavam os seus parceiros, criando uma concorrência com o amor de Deus.

Sócrates relata um amor entre amado e amante, com cuidados, com carinho, com proteção, laços conjugais de companheirismo, que não se resumiria única e exclusivamente ao sexo, como Paulo cotou, a putaria sempre existiu, orgia sempre existiu, bacanau sempre existiu, e está mais presente no mundo cristão do que nunca, a proteção é defendida em Lei no Brasil, a puta é uma prestadora de serviço. O que Cristo falou sobre a puta? Absolutamente nada, porque toda mulher é, o que define a sua natureza é a quem ela serve, por isso, se ela não entregar seu coração no ato sexual, ela se tornará virtuosa também, pouco importa o que sai de seu interior, se naquele momento não saiu o amor, ela tá limpa. Do mesmo modo, se naquele momento ela está com Cristo em seu coração, ela não propagou impureza, independente de seu corpo estar sujo ou não. É a analogia da limpeza dos copos em Marcos 7. E isso dá margem pro entendimento de que, se o amor não estiver presente no ato sexual, aquilo seria permitido, ou, se dois homossexuais, ainda que se gostem, mas ambos amam mais Cristo do que a si mesmo, aquilo pode ser considerado também um ato virtuoso. Mas é como isso deve realmente ser entendido, é isso que tá escrito? O Papa fala que todos são bem-vindos ao Cristianismo, mas desde que amem Cristo. Ou é possível ser cristão sem que o amor não estivesse em pauta primeiramente, se é possível endereça-lo única e exclusivamente, descartando as evidências de que aquilo não esteja devidamente ancorado no sentido de como o amor deve ser entregue uns aos outros. O senso comum é que Cristo falou amai-vos uns aos outros como eu vos amei, mas não é assim que tá escrito, e com base em tudo que foi falado, tal frase não teria sustentação ideológica nenhuma, e nem muito menos é coberta pelo que está escrito no Torá e nos Evangelhos. Cristo falou tenham consideração uns com os outros, como eu vos considerei, a palavra é diligati e não amare, está na Vulgata, amor mesmo só com Ele, com Cristo: ele é bem claro na passagem das Espadas [Mateus 10, 34-37]:

“nolite arbitrari quia venerim mittere pacem in terram non veni pacem mittere sed gladium

veni enim separare hominem adversus patrem suum et filiam adversus matrem suam et nurum adversus socrum suam

et inimici hominis domestici eius

qui amat patrem aut matrem plus quam me non est me dignus et qui amat filium aut filiam super me non est me dignus

et qui non accipit crucem suam et sequitur me non est me dignus

qui invenit animam suam perdet illam et qui perdiderit animam suam propter me inveniet eam”

http://www.latinvulgate.com/lv/verse.aspx?t=1&b=1&c=10 ]

Leia-se:

 

“Não arbitrem que vim lançar paz sobre a terra, não vim pra lançar paz sobre a terra, mas a espada, eu vim pra separar, o homem contra seu pai, e a filha contra sua mãe, a enteada contra sua madrasta,  e a inimizade dentro da própria casa deles. Qualquer um que amar pai e mãe mais que a mim, não é digno de mim. E qualquer um que amar o filho ou a filha mais que a mim, não é digno de mim. Qualquer um que conseguiu seu espírito, o destruirá, e qualquer um que perdeu seu espírito por causa de mim, ele receberá.

E qualquer um que não aceitar[deixar entrar/obedecer] a cruz, não é digno de mim.”

 

 

 

Agora, vejamos João 15:12, o famigerado “amai-vos uns aos outros”:

 

“12 hoc est praeceptum meum ut diligatis invicem sicut dilexi vos

 

Leia-se:

“ Devorem este meu preceito, escolham/aprovem/estimem uns aos outros, assim como eu os escolhi/aprovei/estimei.”

 

As palavras diligatis dilexi, cuja tradução é estima, valor, o primeiro, um presente ativo do substantivo, verbo, na segunda pessoa, e o outro,  um perfeito ativo do indicativo na primeira pessoa do singular: escolher, ao mesmo modo que, estimar, do mesmo modo que: Cristo ensinou, nos mesmos moldes e tratamentos que Cristo semeou.

 

Bom, perceba que, em Mateus 10, cristo usa o verbo amat, a terceira pessoa do singular, presente ativo indicativo, o mesmo radical de amare, amor, esse amor, do qual estou falando e do qual o Papa está se aprochegando. Mas o latu sensu dessa é amor: aí sim, Cristo usou a palavra Amor pra definir a relação a qual ele não queria que acontecesse: o amor verdadeiro é com ele e não com os outros: se assim não o fizessem, a família seria separada: ele trata a questão como infidelidade: os familiares seriam adúlteros de si mesmos, por não o amarem em primeiro lugar. É uma tentativa esdrúxula de dimensionar o amor.

Essa diferenciação do amor é uma constante nos Evangelhos. E o entendimento é que você pode gostar de alguém, mas amar, só a Cristo. Porque o amor, pra Cristo, é medido na base do sacrifício: você não pode morrer, a forma ultimate de amor, por alguém que não fosse Cristo, não seria entendido como uma virtude, mas um ato ao qual Ele mesmo desaprova.

A explicação vem em João: relações humanas são regidas pelos princípios bem-conhecidos de Cristo: bondade, igualdade, fraternidade, que se harmonizam com o diligati: consideração, respeito, solidariedade com o próximo, enfim, virtudes. Mas de forma alguma tais virtudes poderiam ser levadas afrente, aos que não concordam, não se submetem, ou não aceitam Cristo em tais condições: e isso vale pra comunista, exorcista, taxista, independente de raça, sexo ou cor: se não amar Cristo, Cristo vai tocar o terror: e é o que ele fala na Parábola dos Talentos, interficit, um verbo, no presente ativo do indicativo, na primeira pessoa do singular, que significa matardestruir. Falo de Lucas 19: 27, leia-se: ‘verumtamen inimicos meos illos qui noluerunt me regnare super se adducite huc et interficite ante me’

 

‘Em verdade vos digo, meus inimigos, aqueles que não aceitarem o meu reinado sobre eles, raptem-os até aqui e matem-os/execute-os diante de mim’

 

Aqui não cabe consciência, ou parábola, ou delírio, trata-se de uma execução. Não há outra tradução a não ser matar, no contexto de execução, um ritual de morte, setado àqueles que não o aceitarem em seus corações. Mais ainda, ele é concordante com Sodoma e Gomorra, “Ai de ti Chorazin, Bethsaida e Capernaum, seu fim será igual ao de Sodoma e Gomorra!” [Mateus 11:21]:

Cidades que não aceitaram, e as quais ele desejou o mesmo fim, e era o que Deus faria em seu nome: destruiria com fogo. Você pode aceitar ou buscar um entendimento que ‘Cristo falava isso em termos simbólicos, e que isso faz mais parte de uma metáfora, que isso está alinhado com o Sermão da Montanha, onde ele manda arrancar os olhos e a mão, e que a pureza, o pivor de todas essas reações odientas de Cristo, estaria no plano mental ou emocional’, mas tá errada a sua interpretação: em todos os casos aqui narrados, o castigo é extensivo ao corpo. Do mesmo modo que Cristo setava o açoite ao mal servo, ou até no âmbito mais simples: ‘Não negue a vara ao filho’, sua origem..? Provérbios, Velho Testamento... : ‘qui parcit virgae suae odit filium suum qui autem diligit illum instanter erudit’. [Provérbios 13:24]

Leia-se:

‘Qualquer um que poupe a sua cria, odeia os seus filhos, mas aqueles que escolhem aqueles violentamente, educam/ensinam/instruem.’

 

 Quem ama não bate com pau, bate com a mão: isso em casos extremos, e não como uma forma educacional rotineira. Hoje existe Lei pra quem bater em filho ir preso, mas, isso está em Cristo?

Certamente, o Papa Francisco deve estar atrás da cortina, falando –é exatamente isso que eu quero combater, Anne, eu não concordo com isso...!

E eu diria –eu sei, Papa, mas esse é o pensamento de Cristo, mais que isso, os seus sentimentos, ele tinha amor, é o que parece, ele amava seu pai, foi por quem ele morreu, e não pela humanidade: isso é outro desentendimento.

Do mesmo modo, o seu amor é extensivo aos homens, na medida que está implícita uma declaração exclusivista de amor a Deus também, por parte dos seres humanos.

Dito de outra forma, ele amava mas odiava também: é duro, mas é essa a verdade, é isso que tá escrito. O que me chamou a atenção se Cristo não teria usado a humanidade pra sua própria salvação e setar a si mesmo um automerecimento, porque é o entendimento da Ressurreição, é um juízo praticado em seu próprio benefício. As pessoas abusam do merecimento, com doações e caridades, porque entendem isso como um amor ao próximo, e não uma salvação pessoal. E o que é esse amor onde o dar está envolvido em uma relação de troca[?]: o sentimento é educado e compromissado[..?]: E o quê que tá se dando ou se trocando, é amor de fato..?

Por isso, ela é um pré-requisito para uma prostituição, corrupção dos valores  morais, justamente aquilo que tentou-se implantar e combater. Será que a humanidade ao tentar se afastar de sua naturalidade em busca de uma ideia, uma ilusão, a perfeição, a pureza, não é a projeção atual do mundo em que vivemos?

É onde você vê a malícia, a maldade e a descompreensão do Gen 3:15, porque é aí que está setado: o modelo produtivo, a enxada, a semente do amanhã, aquela que você come no ontem, mas sabendo sempre que você estará vivo no futuro, mas estará sempre morto no presente. Se as técnicas de sobrevivência do ser humano justificam toda a fome que for endereçada ao juízo... já que Cristo foi endereçado como comida, e que tal fome não pode ser saciada nos braços da pessoa amada, somente nele, porque ele é a fonte da vida e, sem ele, as pessoas jamais amariam umas às outras de fato, porque o mundo estaria em discórdia constante. A realidade tá aí, pros eu querem ver e constatar, se esse amor de fato um dia existiu.

 

 

Do mesmo modo, eu defendo que o amor não depende de absolutamente nada, religião, raças ou momento histórico, ele é algo que simplesmente acontece: e não é nenhuma religião que terá algum dia a capacidade de explica-lo, tutela-lo, ou proclamar alguma coisa em seu nome: A Natureza desconhece qualquer proclamação de Cristo. Do mesmo modo que uma árvore jamais exaltará seu nome, ou qualquer animal que seja, seja ele besta ou gado ou serpente que se arraste sobre a terra.

E é a isso basicamente que se refere o 3:15: O mundo natural foi invalidado pelo mundo virtuoso, tornando improvável qualquer civilização que vá a frente com tais posturas: porque a natureza é contrária ao homem. Só será complacente se for submetida: de outra forma, será sempre tratada como um servo improdutivo e impuro, que jamais atenderá as pretensões de seu senhor. E onde há servo, não há amor:

Parabéns, a humanidade foi a frente com a virtude, e ela é um sucesso, pelo menos é o que pensa a grande maioria: o mundo tá melhor que nunca, todas as pessoas se amam, porque encontraram Cristo em seus corações...!

Agora, eu digo, nenhum sistema até hoje prevaleceu pela bondade, pela fraternidade, coisa e tal: os persas já pensavam assim também, Zaratustra. Os Egípcios também. Os Gregos. E até os Romanos. Havia família.

Todo sistema político que se instalou na humanidade até hoje, se prevaleceu, foi por causa da força, e se a Democracia é o que é hoje, o único sistema disponível é porque, assim como a humanidade, ela matou todos os outros: porque nada é mais brutal, autoritário, corrupto e redutor de liberdade do que a Democracia: uma autoridade que se esconde em uma falsidade ideológica.

As pessoas dizem –Isso não é Cristo!!

E eu digo: –ok, vocês estão erradas: It is Cristo. Cristo amava ao mesmo modo que odiava: e quem copia Cristo, é isso que vai ter em seus corações. Se alcançamos tal estabilidade, e isso é questionável também, foi conseguido através da espada: foi o Rei Arthur, foi ele que enfiou a espada na pedra, dizendo que aquilo era amor, depois elevou seu nome ao seu Senhor.

 

 

 

 

Bereishit Rabbah 3:15

 

ואיבה אשית בינך

ובין האשה ובין

זרעך ובין זרעה

הוא ישופך ראש

ואתה תשופנו עקב׃

 

“Ódio imporei entre

Ti e a mulher e entre

O meu sêmen e o teu sêmen

Ele [o meu sêmen] esmagará a tua cabeça

Você esmagará o calcanhar”

 

http://www.mechon-mamre.org/p/pt/pt0103.htm  ]

[https://israelect.com/reference/JackMohr/jm005.htm]

http://www.morfix.co.il]

 

 

A primeira tradução utilizada é a que considero mais relevante, é tirada do Torá, por se tratar de uma passagem do Velho Testamento. De todas as passagens bíblicas, esta não só é a mais importante no entendimento dos Evangelhos e, principalmente, de Cristo, como também, a mais controvertida e com múltiplas traduções. Por isso, o leitor pode estranhar esta tradução, por não estar igual a sua. Mas foi retirada do Mechon Mamre, um grupo de escolares Judaicos que vivem em Israel. O Torá usado também é o mais aceito em Israel.

Falo isso porque existem várias traduções do Torá, a exemplo do que acontece com a Bíblia. É algo que sempre falo nos tópicos: cuidado com a tradução: e recomendo que faça a mesma coisa crie, uma base de dados, confronte várias literaturas. Fiz também um estudo sobre o Torá, sua origem, quem de fato escreveu[...] (o senso é que foi Moisés, mas não é), etc.

 Vivemos em mundo da informação, vários achados tornaram as coisas insustentáveis, e é basicamente a isso que o Papa se refere: A necessidade de sumir com algo.

O cristianismo parece sofrer de um mal maior que o diabo: a reforma constante. A questão não é só mudar algo escrito ou reinterpreta-lo, mas a incapacidade de integralizar algo já tão fragmentado: ou seja, perdas de unidades: É inevitável que as idéias se fragmentem também. A prova disso segue abaixo, como a mesma passagem é entendida e suas respectivas traduções:

 

1)      Tradução disponibilizada online em Inglês do Mechon Mamre:

15 And I will put enmity between thee and the woman, and between thy seed and her seed; they shall bruise thy head, and thou shalt bruise their heel.' {S}

 

“E eu porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a semente dele; eles esmagarão tua cabeça, e tu esmagarás o calcanhar dele.”

 

(Obs.: o paralelo em inglês é colocado como a tradução do referido versículo (Gen 3:15), no Mechon Mamre. Acima, a tradução do versículo, do hebreu para o português.)

 

2)      Tradução Hebraica do Chabad[.org]:

טווְאֵיבָה | אָשִׁית בֵּינְךָ וּבֵין הָאִשָּׁה וּבֵין זַרְעֲךָ וּבֵין זַרְעָהּ הוּא יְשׁוּפְךָ רֹאשׁ וְאַתָּה תְּשׁוּפֶנּוּ עָקֵב:

 

And I shall place hatred between you and between the woman, and between your seed and between her seed. He will crush your head, and you will bite his heel."

 

E eu colocarei ódio entre ti e entre a mulher, e entre a tua semente e entre a semente dela [leia-se, que ela carrega do homem]. Ele esmagará tua cabeça, e tu morderás o calcanhar dele.”

 

[http://www.chabad.org/library/bible_cdo/aid/8167/jewish/Chapter-3.htm]

 

Obs.: havia escrito este artigo há um mês atrás, quando um amigo me mandou a entrevista do papa.

Essa semana, voltei tanto no Mechon Mamre quanto no Chabad, que são as duas maiores referencias de traduções em língua hebraica, digo, existe outros, mas estes são os principais. Na época vi que, no versículo do Bereishit Rabbah [3:15], a versão em Hebreu havia sumido com a palavra ódio e acrescentado uma palavra esquisitíssima, para a qual não havia sequer tradução reconhecível em Hebreu, por isso, mantive acima a versão em hebreu como constava, quando esse problema ocorreu. Deixei de lado, e fui olhar no outro grande referencial, Mechon Mamre, o qual manteve-se alinhado com o idioma hebraico. Mas, pra minha surpresa, eles corrigiram, e a palavra, que estava desaparecida, agora está lá, em letras garrafais: é Ódio. E esse é o seu latu sensu interpretativo. Trata-se de uma luta, trata-se de uma imposição: o sentimento em questão não poderia ser outro a não ser ódio. É como é entendido, ao pé da letra, tanto pelos protestantes quanto judeus, tanto pelos ortodoxos quanto pelos messiânicos, etc.

Prossigamos:

 

3)      Tradução da versão Rei James:

I will put enmities between thee and the woman, and thy seed and her seed: she shall crush thy head, and thou shalt lie in wait for her heel

 

“Eu colocarei inimizades entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a semente dela: ela deverá esmagar a tua cabeça, e tu deverás deitar a espera pelo calcanhar dela.”

 

[KingJames Bible - http://latinvulgate.com/lv/verse.aspx?t=0&b=1&c=3 ]

4)      Traduçao  official da Vulgata:

inimicitias ponam inter te et mulierem et semen tuum et semen illius ipsa conteret caput tuum et tu insidiaberis calcaneo eius

 

Inimizade porei entre ti e a mulher, e a tua semente e a semente dela, ela esmagará tua cabeça e tu rastejarás em emboscada ao calcanhar dela.

 

[Vulgate Gen 3:15 – parallel w/ KJVersion, http://latinvulgate.com/lv/verse.aspx?t=0&b=1&c=3 ]

[Notredame latin dictionary http://latin.campus.nd.edu/ ]

 

Obs.: por isso que eu bato palma pra Vulgata, sempre: ela sempre mostra a intenção da criatura, enquanto as outras versões procuram esconder. Mas quando você confronta as outras versões, você vê que na Vulgata, a intenção é clara. No caso aí, o animal não estava passando, mas, estava, intencionalmente, esperando o homem pra matá-lo, o que configura uma relação de ódio, mostrando que inimizade nunca e jamais poderia ser um termo usado, ou qualquer outro que desclassifique a relação: trata-se de uma batalha entre o bem e o mal. Seria inócuo o Apocalipse. Seria o mesmo que rasgar todo o conteúdo de Cristo, e as explicações de Paulo. É uma forma de querer desentender as Escrituras, ou abusar do cinismo, no intuito de esconder um dos sentimentos claros de Deus e também de Cristo: o ódio.

 

5)      Tradução completa da Versão Vulgata :

[Fonte: http://latinvulgate.com/lv/verse.aspx?t=0&b=1&c=3]

 

“E quando eles ouviram a voz do Senhor Deus andando no paraíso ao ar da tarde, Adão e sua mulher se esconderam da face do Senhor Deus, em meio as árvores do paraíso. E o Senhor Deus chamou Adão, e disse a ele: Onde tu estás?

E ele disse: Eu ouvi tua voz no paraíso; e eu estava temeroso, porque eu estava nu, e eu me escondi.

E ele disse a ele: E quem te disse que tu estavas nu, mas aquilo que tu comestes da árvore da qual eu comandei a ti que tu não deverias comer?

E Adão disse: A mulher, a qual tu destes a mim para ser meu acompanhante, deu-me da árvore, e eu comi.

E o Senhor Deus disse à mulher: por que tu fizestes isso? E ela respondeu: a serpente me enganou, e eu comi.

E o Senhor Deus disse à serpente: Porque tu fizestes esta coisa, tu estás amaldiçoada entre o gado, e as bestas da terra: sobre teu peito tu deverás ir, e terra tu deverás comer todos os dias de tua vida.

[15]Eu colocarei inimizades entre ti e a mulher, e tua semente e a semente dela: ela deverá esmagar tua cabeça, e tu deverá deitar à espera do calcanhar dela.

À mulher também Ele disse: eu multiplicarei tuas dores, e tuas concepções: em dor tu deverás parir crianças, e tu deverás estar sob o poder de teu marido, e ele deverá ter domínio sobre ti.

E a Adão ele disse: Porque tu destes ouvidos a voz de tua mulher, tu comestes da árvore, a qual eu te comandei que não comesses, amaldiçoada é a terra em teu trabalho: com trabalho e labuta tu deverás comer portanto todos os dias da tua vida.

Espinhos e cardos deverão trazer pra ti, e tu deverás comer as ervas da terra.

No suor de tua face tu deverás comer pão até tu retornares a terra da qual tu tomastes: pois pó tu és, e pro pó tu deverás retornar.

E Adão chamou o nome da mulher dele Eva: porque ela era a mãe de todos os vivos.

E o Senhor Deus fez pra Adão e a mulher dele vestimentas de pele, e os vestiu.

E Ele disse: Pasme, Adão, se tornou um de nós, conhecendo o bem e o mal; agora portanto pode ser que talvez ele bote as mãos afrente e pegue também da árvore da vida, e coma, e viva para sempre.

E o Senhor Deus enviou ele pra fora do paraíso do prazer, pra arar a terra da qual ele havia sido tirado.

E ele expulsou Adão: e colocou afrente do paraíso do prazer Querubins, e uma espada flamejante, voltando-se de todos os jeitos, pra manter o caminho da árvore da vida”.

 

6)      Versão Católica Oficial:

 

15 I shall put enmity between you and the woman, and between your offspring and hers; it will bruise your head and you will strike its heel.'

 

Eu colocarei inimizade entre ti e a mulher, e entre tuas crias e as dela; ela esmagará tua cabeça e tu atacarás o calcanhar dela.’

 

[http://www.catholic.org/bible/book.php?id=1&bible_chapter=3 ]

 

 

7)      Tradução da versão NRSVCE:

 

15 I will put enmity between you and the woman,

    and between your offspring and hers;

he will strike your head,

    and you will strike his heel.”

 

Eu colocarei inimizade entre ti e a mulher,

E entre as tuas crias e as dela;

Eles [os filhos dela] atacarão a tua cabeça,

E tu atacarás o calcanhar deles.”

 

https://www.biblegateway.com/passage/?search=Genesis+3&version=NRSVCE ]

 

8)      Versão da Bíblia Católica Brasileira Oficial:

 

15.Porei ódio entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a dela. Esta te ferirá a cabeça, e tu ferirás o calcanhar.”

16.Disse também à mulher: Multiplicarei os sofrimentos de teu parto; darás à luz com dores, teus desejos te impelirão para o teu marido e tu estarás sob o seu domínio.”

17.E disse em seguida ao homem: “Porque ouviste a voz de tua mulher e comeste do fruto da árvore que eu te havia proibido comer, maldita seja a terra por tua causa. Tirarás dela com trabalhos penosos o teu sustento todos os dias de tua vida.

18.Ela te produzirá espinhos e abrolhos, e tu comerás a erva da terra.

19.Comerás o teu pão com o suor do teu rosto, até que voltes à terra de que foste tirado; porque és pó, e pó te hás de tornar.”

20.Adão pôs à sua mulher o nome de Eva, porque ela era a mãe de todos os viventes.

21.O Senhor Deus fez para Adão e sua mulher umas vestes de peles, e os vestiu.

22.E o Senhor Deus disse: “Eis que o homem se tornou como um de nós, conhecedor do bem e do mal. Agora, pois, cuidemos que ele não estenda a sua mão e tome também do fruto da árvore da vida, e o coma, e viva eternamente.”

23.O Senhor Deus expulsou-o do jardim do Éden, para que ele cultivasse a terra donde tinha sido tirado.

24.E expulsou-o; e colocou ao oriente do jardim do Éden querubins armados de uma espada flamejante, para guardar o caminho da árvore da vida.

 

http://www.bibliacatolica.com.br/biblia-ave-maria/genesis/3/]

 

9)      Versão Evangélica Brasileira Oficial:

 

15 - E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.

 

http://www.bibliaevangelica.com.br/livro/genesis/capitulo/3 ]

 

 

 

Bom,

No caso do Genesis 3:15, existe um consenso: a expressão mais aceita é a mesma de Cristo, é a semente da serpente, ou, a ‘semente da mulher’, da no mesmo, entenda que a mulher não tinha semente, então alguém a fecundou, o que quer que ela carregasse na barriga: ou foi o homem ou a serpente. Assim como a mulher, a serpente não teria como produzir uma semente, ela é refém da mulher: e é essa a relação que foi cotada entre as duas. Entenda que o termo Sêmen, ou, semente, amarram as coisas: trata-se de uma fecundação. Satanás pode criar espíritos, ou, se transmutar através dos mesmos, porque a Bíblia não é clara sobre isso, mas jamais produzir uma semente. Essa é a explicação mais razoável de Cain, e esse é o entendimento Judaico e de Cristo. E os protestantes, os pentecostais, a maioria desse país, pelo susto repentino, não fraquejem em seus joelhos e mantenham sua posição, discordante da interpretação católica, de que Satanás não existe. Porque é isso que os católicos estão dizendo agora: que foi uma brincadeirinha de Deus, fazia parte dos pacotões de certezas que só poderiam ser reveladas ao seu tempo e que todo mundo foi enganado, João tava de sacanagem quando escreveu o Apocalipse, e Paulo também, quando escreveu o arrebatamento, o Trono Branco também é piada, e aquilo tudo é apenas a extinção da iniquidade, o bota-fora dos injustos, e que isso tudo também é fábula, um terço do sol, um terço da lua, um quarto da terra, vulcões, terremotos, mais a volta de Cristo, a destruição do mal, mas não a sua extinção totalmente, Satanás será preso por mil anos, depois voltará outra vez... Coitada da consciência!

Isso tudo afeta Cristo e a própria Ressurreição, essas coisas não podem ser simplesmente traduzidas no vai-e-vem da mente, do mesmo modo, acreditar que a Virtude, tão bem propagada e disseminada, igualmente responsável pelo sucesso da humanidade e por suas desgraças também, tenha sido em algum momento o modelo Divino, setado por Deus e, de forma alguma idealizada por seres humanos.

Já mostrei em outro tópico, A Untagem, em que passagem Cristo se refere ao 3.15, na seqüência de eventos, Cain é endereçado como filho da Serpente. A questão é que a mulher é o meio pelo qual Satã dissemina sua semente.

Dito de outra forma, Deus é o Inimigo, foi ele que semeou na terra, a Serpente, o mal, do qual se originou o homem natural, o decaído, o pecador: Adão. Por isso, em Corintos 15, o homem purificado, o ressurgido, o puro, o updateado, Cristo, semeou no homem morto, o natural, o divino, Adão. E este, tinha que semear Cristo, a semente pura, nascido da Palavra de Deus escrita pelo Homem, em todo humano natural que nascesse, semeando em seus ouvidos para que ele enxergasse aquelas palavras, pra que aquele homem natural, ao qual Paulo carinhosamente, bem como Cristo, se referiu como mortos, pudessem ser trazidos a gloria e pureza de Cristo, o Santificado: O Filho do homem, o filho da palavra, o Pai da Semente. No momento que você ensina seu filho a falar, você acabou de ensinar a ele a palavra, você acabou de semear Cristo nele, antes mesmo disso, no momento que você fala aos ouvidos de seu filho. Neste momento, você acabou de purifica-lo, matou o homem natural, aquele ser nascido em pecado, agora purificado e batizado, aprendeu a falar, a palavra crescerá em seu interior, e logo tomará conta de tudo, sendo a única coisa restante em você, definindo a única existência: o seu ser. O ser humano desenvolveu uma maneira de enxergar com os ouvidos, já que era mesmo cego, e isso é bíblico. É basicamente ao que Paulo se refere em Corintos, e ao que Cristo se refere sobre a Palavra.

O mal não é possuído, ele já nasce pronto, estamos falando de semente e, nesse sentido, o sangue já está contaminado. E é a isso que Cristo se refere nos Evangelhos: Todos os judeus estão contaminados.

Até porque, existe uma concordância entre escolares de que os descendentes de Cain cruzaram com os de Seth e foi basicamente isso que argumentei no tópico A Purificação. Cristo veio purificar o povo Judaico primeiramente.

Bom não vou me alongar em coisas que já fiz antes. A questão são as declarações do Papa: ora, aquilo não tem cabimento, na nota de rodapé consta que os Cardiais não concordam, como assim cardial não concorda com o Papa[?!], protestante pode não concordar, mas o próprio Vaticano não, é a própria Sé Romana. Ou, mais ainda, as declarou serem entendidas como opinião do Papa.

A minha posição é que Cristo não concorda com o Papa. Mas não vou fazê-lo agora, o que vou dizer é que Cristo não fez e, por isso, ab-rogou também, mais ainda: esses mesmos argumentos são defendidos por Paulo nos Evangelhos.

No rol de acusações que pesam sobre a mulher e o entendimento do parto, seu rebaixamento e as tentativas de dizer que Deus não estava com juízo perfeito quando falou isso: o que ele falou pode ser também facilmente ridicularizado. Como se hoje Cristo pensasse diferente, como se Deus pensasse diferente, como disse o Papa, ele evoluiu, como se a pureza do coração do homem fosse inabalável e seu interior estivesse limpo, mais ainda, se um dia já foi limpo, com o adicional que Cristo realmente teria conseguido purificar alguém e que esse alguém não voltou às suas fraquezas ou não adquiriu outras e que o mundo está melhor: é apenas outra visão do Papa: O pensamento básico do Papa é o amor.

Bom, aqui eu me separo da bíblia, pois existe uma geometria a ser seguida.

 

 

Os fantasmas

 

 

Adão e Eva vinham no paraíso vestidos com dois lençóis, apenas dois olhinhos na frente.

Eva –não sei por que deus nos proibiu de andar pelado, ter que andar com esses lençóis incomoda, sinto calor.

Adão –talvez para que não cometamos nenhum pecado.

Eva –mas que pecado poderíamos cometer, eu não gosto de homem..

Adão –nem eu de mulher...

Eva –vai ver que é por causa deste lençol ... eu vou tirar.

Adão –não faça..!

Eva –por que?

Adão –você sabe, é proibido..!

Eva tira o lençol. E fala:

Eva –tire a sua também.

Adão –não vai funcionar... . por que..?!

Eva –mesmo assim, tire a sua também.

Em seguida ele tira o lençol, e ele fala, conclui –porque somos assexuados.

E ambos constatam a dura realidade do ser: a inexistência do prazer.

 

 

A inexistência do prazer: essa é a questão.

Quando Adão aparece na frente de Deus, ele já estava vestido, porque ele já estava envergonhado de estar nu na presença de sua mulher. Por que Adão não teria prazer com sua mulher, ou, não se sentiria à vontade em sua presença? A questão é bem mais ampla do que a perda da inocência.

 

 

Essa palavrinha é difícil, primeiramente, por que ela é intitulada sexo. Sexo era o que  se escondeu, mas o que estava se escondendo era o prazer: o ser humano não poderia sentir prazer com a terra, existia uma fonte de prazer e ela, ainda que estivesse no interior do ser, era externa a ele.

O entendimento é de um copo d'água com dois dedos de água dentro: aquela água é imutável e deve ser, obrigatoriamente, retornada a Deus.  Senão, embora essa alma pertencesse como uma extensão de Deus, ela jamais retornaria a ele se continuasse impura, porque a purificação tinha que ocorrer na terra, e não no céu. Não teria sentido a vinda de Cristo se o pensamento fosse outro. Do mesmo modo, não haveria necessidade da sua presença física, tudo poderia agir apenas no mundo espiritual. Cristo purificava o espírito, e não o corpo, o corpo já era purificado anteriormente pelos conceitos anteriores, judaicos.

Por isso o povo Judeu não se relacionava com outros povos e suas mulheres eram regida pelo Halakhah, basicamente, Levíticos todo, fora uma série de literaturas que são complementares às suas tradições.

A mulher é tratada como campo, o homem tem a semente, sêmen já fecundado, e a mulher é apenas uma barriga de aluguel. O entendimento dos Judeus, e de Cristo, era que a mulher não possuía óvulo, e que a semente já estava pronta e era o seu próprio sêmen, por isso, ela não participava da fecundação. Escrevi um tópico sobre isso também. Hoje sabe-se que XXXXX e YYYYY nunca existiu, o ser humano é entendido como uma singularidade e não como uma unidade, a busca da unidade genética chegou ao fim, a doutora, cito Sarah Richardson, argumenta que esse entendimento é da medicina antiga, hoje sabe-se que onde existe um cromossoma X há um Y, e vice-versa, biologicamente falando, não existe gêneros em biologia, de acordo com ela:

“S.R. –Funcionalmente falando, tanto homens quanto mulheres têm um cromossomo X ativo em cada célula. Isso [o X como fêmea] é um exemplo do jeito que nós projetamos o sexo binário em cima do mundo natural. É como se nós precisássemos que o X seja o cromossomo fêmea se o Y é o cromossomo macho. Nós precisamos deste simbolismo de alguma forma.”   -  Por que será, hein, doutora Richardson...?

A doutora abusa e escracha nas responsabilidades que tem sobre os achados no Genoma, sendo mundialmente hoje a maior referência. E ela conclui que a busca de uma unidade a nível de genes chegou ao fim.

 

[ Obs.: Você quer saber quem é a doutora Sarah Richardson? Vá ver nesse tópico aqui: http://cia-da-maconha.blogspot.com.br/2014/10/a-homologia-substancia-chefe.html ]

 

É a tal da perda da unidade, se você não se atém, qualquer integração vai falhar, a unidade é crítica, é ela que regula a existência o ser. Por isso  se o pensamento não possuir uma unidade, ele vai falhar na integração. E são essas fragmentações da unidade que botou em cheque o conhecimento bíblico, de uma hora pra outra as ciência se voltaram contra algo, ‘valia antes agora, não vale..’: aquilo que sempre a sustentou e que procurou-se desde o início, uma racionalização da natureza: e até o século XIX tava tudo indo muito bem, mas as descobertas produziram uma perda generalizada de unidade: O Universo estava realmente em expansão.

Daí a necessidade de redefinições das coisas, mas tá correto: aquilo que valia antes, agora não vale mais: Cristo valia antes, agora não vale mais: Uma relação muito estranha entre o velho e novo e o imutável:

 

Primeiro acreditou-se na morte, era e é o pensamento Saduceu, Moisés, Torá antigo. Depois, veio a segunda certeza: a vida ,o céu, o Novo Torá, Daniel e Ezequiel, Ezra e companhia: deveria ter sido um sucesso a publicação do novo Torá: mas não foi assim:

Os judeus de Jerusalém não se aliaram à proposta Babilônica, eles disseram:  ‘esse babilônicos tão possuídos pelo inimigo, Zaratustra deve ter influenciados eles! Céu? Não tem céu, vamos todos morrer.’ –no entendimento saduceu, a vida era morte e, feito isso, deixou de existir. [Brutal!].

Nascia os Fariseus: Ezra é entendido como o primeiro fariseu. Eu fiz um estudo monstro sobre isso e vou postar também, bem como sobre o zoroastrismo também há estudos feitos e haverá teses, confrontando e fazendo o paralelismo entre zoroastrismo e as datas em que Daniel escreveu seus sonhos no exílio na Babilônia.

Bom, parte daquilo que amamos em Cristo é a solução dessa briga, agora, milenar: o aparecimento da terceira certeza: a consciência permanecia na imortalidade. Fiz um tópico sobre isso também, possui desenhos, foi um amplo estudo que estava fazendo, um vasto material foi feito, muitas traduções, universalizei, fui buscar fonte em outros países, idiomas, muitos notórios em hebreu, comparando Septuaginta e Vulgata, sofrendo em transliterações. A questão é que os judeus acusaram os cristãos de mudar o Torá, ironizam e mostram as falhas ou as intenções. É algo que está em toda Bíblia.

Um exemplo simples é a palavra goy ou goyim cuja tradução hebraica é pessoa ou pessoas: pros cristãos é não judeus, ou, gentis. Mas o próprio Torá também tá sendo reescrito, pelo excesso de anacronismo. As datas não batem. Li diversas teses sobre Isaías e há um consenso que existiram três Isaías, e em épocas diferentes, a descoberta do pergaminho do Mar Morto teria uma data anterior a Ezra e as escritas se contradizem. Ora, tudo isso afeta Cristo: quer dizer, não é apenas uma adequação, mas a tal perda de integridade, de fato isso tudo não tem uma relevância para o que estou escrevendo agora, porque  o Seedline da Serpente possui uma unanimidade. O que eu chamo atenção é se o que o Papa falou não se trata de introdução em uma quarta certeza: Mulher, Papa? Não, isso é contrário aos Cânones, a Bíblia e a Cristo também.

Foi algo que já expliquei na Untagem, tem a ver com o Sêmen, a semente, é senhor que purifica, e não o servo.

Já havia visto o papa anterior, Bento, falar em um artigo, que o inferno não era um lugar de chamas e labaredas, mas de ausência de deus. E que Cristo nunca fez milagres, porque deus não intervém na matéria: uma  tendência a negar coisas, negar  o inferno é negar o céu: negar o diabo também é negar deus, porque fazem parte da mesma dualidade, por isso, à medida que se fortalece a terceira consciência pela via católica cresce o ateísmo. Pois implicaria em acabar com duas essencialidades de uma doutrina: o bem e mal. Se tais coisas não existem ou mesmo nunca existiram, foram apenas delimitadores de um ótimo pretendido: e por não serem mais funcionais, suas licenças são revogadas.

Tá escrito que Cristo tirou sete diabos de Madalena, bem como também de uma menina. Paulo foi preso por fazer ritual de desincorporação, Cristo também não falou com Satã no deserto...! e Satanás é uma farsa, uma historinha para elucidar uma consciência...! pelo outro lado, acredita-se em Satã, mas não no inferno...! Ora!

Lembremos então o que Paulo falou: Ele falou também sobre o homossexualismo, outra questão levantada por mim, não existe nada que sirva de argumento em termos bíblicos que suporte o homossexualismo, não é suportado pelo cristianismo ou judaísmo, nada tem a ver com os argumentos do Papa ou dos evangélicos, mas pela própria geometria da unidade, existe uma circuito: relações entre céu e terra, senhor e servo, espírito e corpo, homem e mulher: tudo isso paralisa conceitos que não podem ser quebrados, pois se perderia o núcleo das idéias centrais da doutrina, feriria princípios, não interessa a evolução, a unidade é algo que não muda, é isso que define um resultado, sobre qual se declara a existência de algo: o ser. Desde que começaram com Darwin o conceito de ser, definições, não apenas o que é um ser vivo, mas o ser humano, é óbvio que as necessidades dos Evangelhos vestirem a natureza aumentaram ao ponto de a religião se retirar do front, mas de fato foi algo que ela nunca fez: ela foi e  sempre será a mamãe de todas as ciências, porque no fundo, o que todas as ciências querem é produzir unidades.

Agora, se o amor é uma unidade, deixo pro Papa Francisco responder, em suas próximas declarações.